Presidente da República volta a apelar por uma campanha eleitoral ordeira e pacífica

Data: 09/10/2023
Presidente da República volta a apelar por uma campanha eleitoral ordeira e pacífica

Cidade de Maputo (Moçambique), 04 de Outubro de 2023 – O país celebra hoje o 4 de Outubro, o Dia da Paz e Reconciliação, em plena campanha eleitoral para as sextas eleições autárquicas nas 65 cidades e vilas com autarquias em todo o território nacional, um processo que, segundo o Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, materializa a descentralização na sua forma política, em que os dirigentes locais são eleitos democraticamente pelos residentes nas respectivas autarquias.

No início do processo, o Chefe do Governo moçambicano fez uma exortação para que a campanha seja ordeira, pacífica e, sobretudo, que seja um momento de festa entre todos os actores envolvidos.

“E temos estado a observar que há relativa calmia, e melhor do que o tempo da pré-campanha. Por isso, reiteramos a nossa exortação no sentido que as formações políticas concorrentes devem pautar por uma postura de paz, abstendo-se de actos que alterem a paz, a ordem e a tranquilidade públicas, evitando mensagens intimidatórias que contrariem o exercício democrático”, disse.

Ainda neste capítulo, o estadista moçambicano chama atenção aos “nossos parceiros de cooperação e nossos amigos” para observarem a ordem e a lei nacional.

“Façamos das sextas eleições autárquicas a maior festa da nossa democracia. Por vezes, pensamos que estamos a influenciar boas práticas da democracia, mas podemos estar a incitar a violência sem nos apercebermos”, advertiu o Presidente, discursando hoje à nação por ocasião do 31º aniversário da assinatura do Acordo geral de Paz, em Roma (Itália), que pós fim aa guerra de civil de 16 anos entre a Resistência Nacional de Moçambique (RENAMO) e as forças governamentais.

Sobre a campanha eleitoral, o Presidente da Républica fez uma exortação aquando da celebração do 25 de Setenbro, o Dia das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) e mais um aniversário do desencadeamento da luta de libertação nacional.

Na ocasião, o estadista apelou por um processo pacífico, sem discursos incendiários e intimidatórios, para que o processo seja o reflexo daquilo que o país é no panorama regional da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e no mundo, “uma referência com elevado nível da cidadania, disciplina e sentido patriótico demonstrados no processo de consolidação da democracia multipartidária”.