“Com mais produção haverá mais recursos para projectos de desenvolvimento”

Data: 08/05/2017

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, explicou que a exploração regrada dos recursos beneficia, não só a comunidade, mas o país no geral, que fica com mais recursos, fruto da arrecadação de impostos, o que permite haver receitas necessárias para o investimento em projectos económicos e sociais.

Assim, o estadista moçambicano desafiou a população do Distrito de Ancuabe a manter uma vigilância cerrada contra a exploração ilegal dos recursos naturais que abundam naquela região. 

Falando da madeira, um recurso que abunda naquele Distrito, o Chefe do Estado disse que a sua exploração ilegal lesa o Estado, porém, a ser bem explorada, ganha o país e ganha a própria comunidade, vincando que os indivíduos envolvidos no corte ilegal da madeira recorrem a subornos e outras práticas desonestas. 

“Precisamos de preservar a nossa floresta. Por cada 100 meticais de suborno que é dado a um único indivíduo, o país acaba perdendo milhões de dólares. Eles (os exploradores ilegais) ganham milhões de dólares com a nossa madeira, por isso há necessidade do envolvimento de todos os cidadãos na fiscalização da exploração dos nossos recursos”, disse.

A actividade ilegal regista-se igualmente na fauna e na mineração e, neste contexto, o Presidente da República chamou a atenção para o reforço da vigilância de forma a impedir que os caçadores furtivos dizimem os recursos faunísticos, que também são fonte de receitas para o país.

“Vamos proteger a nossa riqueza: vamos proteger as nossas florestas, o nosso subsolo e os nossos animais, apelou. As actividades da exploração dos recursos devem ser realizadas dentro das normas existentes e sem provocar a poluição dos rios, devastação das matas ou eliminação de espécies animais”, explicou o Chefe do Estado.

De recordar que para estancar a exploração ilegal dos recursos naturais em Moçambique, particularmente da madeira, o Governo lançou recentemente uma campanha de fiscalização denominada ”Operação Tronco”, que resultou na apreensão de mais de 150 mil metros cúbicos de madeira em diversos pontos do país.