Dia da Vitória: PR apela ao contributo de todos na salvaguarda da soberania nacional

Data: 07/09/2023
 
IMG_0524

Maxixe (Moçambique), 07 de Setembro de 2023 – O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, pede que cada um dos moçambicanos na sua área de trabalho, aceite passar por sacrifícios para defender e proporcionar o bem-estar de todos com o mesmo empenho, abdicação e determinação tal como o fizeram os agora veteranos da luta de libertação nacional.

O estadista fez este apelo durante as celebrações, hoje, do 49º aniversário do Dia da Vitória, que relembra a assinatura dos Acordos de Lusaka.

Para o Chefe do Estado, não importa a área em que cada um está inserido, o que importa é que faça a sua parte para defender a soberania nacional.

As festividades deste ano acontecem sob o lema “Combatente firme na Consolidação da Unidade Nacional, Paz, Desenvolvimento e Combate ao Terrorismo”.

Para o Presidente Nyusi, este lema convida a todos a olhar o passado não somente como um espelho refletindo memórias de unidade que levou à independência, mas também como um farol que ilumina as realizações do presente e orienta a perspectivar o desenvolvimento, ciente dos desafios da segurança moderna.

“Trata-se de um lema que nos recorda que apesar dos nossos veteranos terem liberto o país, hoje estão de novo nas trincheiras a defender a pátria que devolveram aos moçambicanos das mãos dos colonizadores. Os veteranos mostram com actos que nesse processo, assim como no dia-a-dia, estão dispostos a transmitir, sem egoísmo, os valores mais nobres da paz e amor à pátria a novas gerações”, disse o estadista.

Para o Chefe de Estado, a importância dos Acordos de Lusaka transcende a simples declaração de feriado nacional no dia 7 de Setembro de cada ano para que os veteranos se encontrem e recordem as suas peripécias no contexto da luta pela independência.

Segundo o Presidente da República, a data é a metáfora da vitória do povo moçambicano sobre a opressão colonial, pois foi neste dia que se esboçou o Governo de transição que vigorou até a declaração da independência.

As celebrações centrais da data tiveram lugar na cidade da Maxixe, na província de Inhambane e obedeceram a três momentos: deposição de uma coroa de flores, visita à uma exposição que retrata algumas etapas da luta de libertação nacional, e, a condecoração de cidadãos.

Ao nível do país e por ocasião da data, o Presidente da República distinguiu com a Medalha Veterano da Luta de Libertação de Moçambique diversas entidades nacionais, como de praxe em ocasiões do género.

Os Acordos de Lusaka estabeleceram a base legal para o primeiro Presidente de Moçambique independente, Samora Machel, sob orientação do Comité Central da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), declarar a independência total e completa a 25 de Junho de 1975.